.:: Entomologistas do Brasil - e-Insetos ::.

Usuários On-line: 1

Introdução
 Principal
 e-insetos
 O projeto
 O que são insetos?
 Bibliografia
Morfologia
 Aspectos Gerais
 Cabeça
   Peças bucais
   Antenas
   Olhos
Tórax
   Asas
   Pernas
 Abdome
Fisiologia
 Aspectos Gerais
 Aparelho Digestivo
 Aparelho Circulatório
 Sistema Nervoso
Taxonomia
 Aspectos Gerais
 
 
 
 
 
 
 

.:: e-Insetos - Peças Bucais1 ::.

Os insetos são mandibulados ectognatos. Ou seja, as peças bucais encontram-se fora do orifício oral ou boca. A boca é um orifício que representa a porta de entrada do aparelho digestivo e situa-se acima e entre as peças bucais. A cavidade que antecede a boca denomina-se cibário ou cavidade pré-oral.

O tipo mais primitivo de aparelho bucal é o mastigador. O aparelho mastigador compõe-se das seguintes peças:

O labro é uma placa (esclerito) mais ou menos móvel e ampla que fica abaixo do clípeo. Em sua face interna é de consistência membranosa e pode ser formado por um lobo mediano denominado epifaringe, de função sensorial; esse conjunto é por vezes referido como labro-epifaringe.

As mandíbulas são peças que têm a função de cortar, perfurar, triturar, moldar, transportar alimentos e outros materiais e em muitos casos defender o inseto. Pode-se reconhecer facilmente duas regiões na mandíbula: a área molar, situada basalmente e que tem a função principal de triturar os alimentos, e a área incisora, de localização distal, com funções de corte e perfuração. Cada mandíbula articula-se com a cápsula cefálica em dois pontos ou côndilos; a movimentação é proporcionada mediante músculos poderosos.

As maxilas têm função sensorial e auxiliam as mandíbulas na manipulação dos alimentos. Ocupam posição lateral, uma de cada lado da cabeça e atrás das mandíbulas. A base da maxila denomina-se cardo e articula-se com a cabeça em um único ponto. Uma segunda peça mais ou menos achatada, o estipe, é unida com o cardo. A parte distal do estipe termina em dois lobos: um mais quitinizado, ponteagudo e de localização interna, a lacínia, e outro mais arredondado, colocado externamente, a gálea. Tanto a gálea como a lacínia podem faltar em certos insetos. O estipe apresenta ainda uma estrutura sensorial alongada e multissegmentada, o palpo maxilar, que se insere lateralmente; em Orthoptera, o palpo maxilar apresenta 5 segmentos.

O lábio é estruturalmente semelhante às maxilas mas compõe-se de uma peça única resultante da fusão dos apêndices na sua linha mediana. Sua função é táctil, servindo além disso para fechar a cavidade pré-oral na parte posterior, retendo assim os alimentos. A placa basal do lábio denomina-se pós-mento, que pode ser subdividido em um submento proximal e um mento distal. A parte distal do lábio é uma placa denominada pré-mento, que pode apresentar quatro lobos terminais: os dois maiores e externos são as paraglossas e os dois menores e internos são as glossas; esses quatro lobos são em conjunto denominados de lígula. Um palpo labial com função sensorial surge de cada lado do pré-mento; os palpos labiais são em geral trissegmentados.

A hipofaringe é um lobo mediano que fica logo atrás da boca, com função táctil e gustativa. O duto salivar abre-se geralmente entre a hipofaringe e o lábio. A hipofaringe é membranosa em sua maior parte, com a porção terminal da face superior quitinizada. Musculatura especial permite que a hipofaringe seja dotada de movimentação para a frente e para trás.

Existe uma grande variação entre os insetos quanto à forma do aparelho bucal. As peças básicas do aparelho mastigador primitivo são muitas vezes modificadas para adaptar-se a um determinado regime alimentar. Alguns insetos (por exemplo, as efêmeras - ordem Ephemeroptera) nunca se alimentam na fase adulta e suas peças bucais são atrofiadas ou vestigiais. As mandíbulas dos insetos carnívoros (predadores) são dotadas de fortes pontas cortantes. Em gafanhotos que se alimentam de gramíneas, as mandíbulas possuem pontas em forma de cinzel na região incisora e cristas achatadas para trituração na região molar. As modificações mais drásticas, contudo, ocorrem quando o alimento a ser ingerido está na forma líquida (néctar, seiva, sangue, etc.). Podemos então classificar os diferentes tipos de aparelho bucal da seguinte maneira:

TIPOS DE APARELHO BUCAL

Aparelho Mastigador - Exemplos de insetos que possuem aparelho bucal do tipo mastigador: larvas e adultos de besouros (Coleoptera), gafanhotos, paquinhas, esperanças, taquarinhas e grilos (Orthoptera), louva-a-deus (Mantodea), baratas (Blattodea), cupins (Isoptera), tesourinhas (Dermaptera), larvas (lagartas) de mariposas e borboletas (Lepidoptera), bichos-pau (Phasmatodea), náiades e adultos de libélulas (Odonata), larvas e adultos de formigas e vespas (Hymenoptera), larvas de moscas (Diptera) e pulgas (Siphonaptera), etc.

Aparelho Sugador Labial - O aparelho bucal do tipo sugador surge como resultado da transformação de certas peças bucais. Em geral as modificações ocorrem no lábio, que transforma-se em uma bainha envolvente ou um tubo alongado e oco, denominado rostro ou haustelo. As outras peças bucais são modificadas em longos e finos estiletes quitinizados, semelhantes a agulhas perfurantes; os estiletes de alguns insetos podem ser largos, assemelhando-se mais a lâminas cortantes. O lábio não é usado para picar; ele simplesmente encosta ou apoia-se no substrato, sendo a função perfurante ou cortante realizada pelos estiletes. Algumas peças bucais podem ser atrofiadas ou reduzidas. Dependendo do número de estiletes funcionais presentes no interior do lábio ou por ele envolvidos, o aparelho bucal sugador labial pode ser ainda classificado em:

Hexaqueta - 6 estiletes (labro-epifaringe, 2 mandíbulas, 2 maxilas e hipofaringe). É encontrado nos mosquitos, mutucas e borrachudos.

Tetraqueta - 4 estiletes (2 mandíbulas e 2 maxilas). É encontrado nos percevejos, cigarras, cigarrinhas, pulgões, etc. (Hemiptera). O rostro ou bico é segmentado e pode dobrar-se para cima durante a penetração dos estiletes. Na parte interna do lábio, as maxilas justapostas formam um canal alimentar e um canal salivar.

Triqueta - 3 estiletes. Ocorre em pulgas, onde os estiletes perfurantes são representados pela epifaringe prolongada e pelas lacínias das maxilas. Nos piolhos sugadores (hematófagos - ordem Phthiraptera: Anoplura) também há três estiletes, mas a sua homologia com as peças bucais de outros insetos sugadores é difícil de estabelecer; o estilete dorsal é provavelmente o resultado da fusão das maxilas; o estilete intermediário é afilado e contém o canal salivar, possivelmente representado pela hipofaringe; o estilete ventral é a principal peça perfurante e é provavelmente o lábio, em forma de canalete. Nos tripes (ordem Thysanoptera) também ocorrem três estiletes: uma mandíbula raspadora (esquerda) e as lacínias do par de maxilas; a mandíbula direita é apenas vestigial; essas três peças alojam-se em uma robusta tromba cônica e assimétrica formada pelo lábio, clípeo e labro, possibilitando a sucção.

Diqueta - 2 estiletes. É encontrado nos dípteros superiores com peças perfuradoras, como a mosca-dos-estábulos, Stomoxys calcitrans, mosca tsé-tsé (Glossina spp.), mosca do berne e moscas hipoboscídeas. Nesses insetos, a principal peça pungitiva é o lábio; os estiletes delgados são representados pelo labro e pela hipofaringe, que se alojam em um sulco dorsal do lábio; este possui a extremidade formada por duas pequenas placas duras, as labelas, guarnecidas com dentes. Na mosca doméstica, que não pica, os dois estiletes (o labro e a hipofaringe) situam-se em um sulco anterior do lábio, constituindo o haustelo; a extremidade distal do lábio apresenta dois grandes lobos ovais macios, as labelas, percorridas por sulcos transversais ou canais alimentares, formando uma estrutura esponjosa para sorver.

Aparelho Sugador Maxilar - Borboletas e mariposas desenvolveram um aparelho bucal adaptado para sugar, por meio de prolongamentos das maxilas, formando um tubo flexível que permanece enrolado quando em repouso, denominado probóscida ou espirotromba. Cada gálea é um tubo oco e flexível que contém músculos e traquéias; a distensão ocorre por pressão da hemolinfa e o enrolamento é devido à ação de mola elástica auxiliada por músculos. As duas gáleas adaptam-se uma à outra por meio de um arranjo de sulco e crista na superfície interna, formando um canal alimentar por onde flui o néctar. Não existe canal salivar, embora os adultos de Lepidoptera possuam glândulas salivares.

Aparelho Lambedor - As abelhas e mamangavas adultas possuem peças bucais modificadas para a utilização de alimento líquido, no caso, néctar e mel. Esse tipo de aparelho bucal recebe o nome de lambedor ou mastigador-lambedor. É um complexo formado pelas maxilas e lábio; a "língua" central representada pelo lábio termina em uma dilatação (flabelo) formada pelas glossas; as longas gáleas das maxilas envolvem o lábio formando um tubo alimentar. O néctar é ingerido pela ação combinada da sucção e da "língua" que se move para cima e para baixo. As mandíbulas servem para cortar flores de corola longa, e também para defesa, moldagem de cera para confeccionar alvéolos nas colméias, etc.

 

Fonte:

  1. ENTOMOLOGIA I e ENTOMOLOGIA GERAL - FAMEV/UFMT

Atualizada: 17.01.2007